28 de setembro de 2011

Go Outside

Divertida essa campanha bem conceitual para a marca Jeep.
"Take It Outside."
Agência: Leo Burnett Caracas :: Venezuela
Direção de Criação: Ali Armas, Fabian Bonelli
Direção de Arte: Eduardo Gomes, Ali Armas
Redação: Manuel Fleitas
Foto: Claudio Napolitano

Toyota | People Person

Bem produzido e bem conceituado.
Comercial que apresenta toda a família Prius.
Criação da Saatchi & Saatchi Los Angeles.

Markus Raetz | Sim e Não

Muito legal o trabalho do escultor e artista suíço Markus Raetz.
A escultura tipográfica abaixo pode ter duas leituras distintas dependendo do ponto de visão. Adorei!

2 Tortas em 1

Olha que ideia simples e que é um adianto.
Esse utensílio - "Split Decision" - é uma forma para tortas como qualquer outra, só que com uma divisão central que possibilita o preparo de duas tortas diferentes ao mesmo tempo.
Custa US$ 17,95 aqui.









vi no bemlegaus

27 de setembro de 2011

Animais no Alvo

"Uma árvore nunca morre sozinha."
Posteres criados por ocasião do Dia da Árvore (21 de setembro) para o Inhotim, que é um museu de arte e jardim botânico.


Agência: Filadélfia :: Belo Horizonte :: Brasil
Direção de Criação: Dan Zecchinelli
Direção de Arte: Rivadávia Coura
Redação: Deborah Vasques
Ilustrador: Rivadávia Coura

Nextel | Nova Id. Visual

A NEXTEL acaba de mudar a sua identidade visual.
A nova marca foi desenvolvida pela LANDOR.
E abaixo o filme que marca a modernização.

Alfabeto Animado

"The Alphabet 2" é uma animação bem legal com as letras do alfabeto.
Dirigido, desenhado, animado, produzido e tudo mais por Alessandro Novelli com participação de Andrea Gendusa, Mario Arcadu e Giulia Arantxa Novelli.
Uma fantástica brincadeira visual e mais um excelente trabalho do estúdio italiano de design n9ve.

vi no bemlegaus

Rede Social na Vida

É notório que as redes sociais entraram forte no cotidiano das pessoas. Com este conceito o artista Gregoire Vieille criou uma série de fotografias bem interessantes para a revista Amusement, dá uma olhada:

26 de setembro de 2011

Móvel sem Móvel

Campanha para a Ikea bem legal.
Vale notar o cuidado na colocação dos títulos.
Agência: TBWA :: Istanbul :: Turquia
Direção de Criação: Ilkay Gurpinar
Direção de Arte: Guney Soykan
Redação: Gul Kanik
Foto: Murat Bayindir
Pós-produção: Artun Cinetci

Big Wednesday | Wednesday / Thursday

Bacaninha esse filme que mostra como a vida pode ser diferente.

Agência: DDB Group New Zealand
Direção de Criação: Regan Grafton
Direção de Arte: Lisa Fedyszyn
Redação: Jonathan McMahon
RTVC: Kim Baldwinson
Produtora: Finch Company
Direção: Christopher Riggert
Efeitos Visuais: Fin Design
Aprovação: Todd McLeay, Warren Salisbury, Wendy Rayner, Justin Powell

Tudo Arrumado

Um barato esse projeto do artista suíço Ursus Wehrli. Seu livro "The Art Of Clean Up" foca em nossa vida diária alinhando e dispondo os objetos de uma forma ordenada de acordo com suas cores, seus tamanhos ou formas.

23 de setembro de 2011

Sexo em Lugar

Essa campanha foi para comemorar o "dia do sexo", mas combina bem com a sexta-feira.
Agência: BorghiErh/Lowe
Direção de Criação: José Henrique Borghi, Erh Ray e Fernando Nobre
Redação: Myla Verzola
Direção de Arte: Sthefan Ko
Artebuyer: Bibiana Oliveira
Produção Gráfica: José Ressutti Junior e João Albertini
Atendimento: Priscilla Carvalho, Monica Marouço e Alan Rossi
Fotografia: Sthefan Ko
Aprovação: Javier Vazquez, Giuliana Taglieri e Joana Barroso

Escola Panamericana | Maria Layout

Você conhece a "Maria Layout"? Isso mesmo, depois da “Maria Gasolina” e da “Maria Chuteira” é a vez das viciadas em diretores de arte.
Isso para divulgar a exposição dos vencedores do Art Directors Club NY expostos na Escola Panamericana de Arte e Design.

Agência: AlmapBBDO
Diretor Geral de Criação: Luiz Sanches
Diretor de Criação: Luiz Sanches
Diretor de Arte: Andre Gola
Redator: Pernil
RTVC: Vera Jacinto, Gabriel D'Agostini, Luana Aghata. Diego Villas Bôas
Produtora: Sentimental Filme
Direção: 2
Fotografia: Pedro Cardillo
Montador / Editor: Rogério Ferreira
Finalizadora: Sentimental Filme
Trilha / Locutor: Hilton Raw
Atendimento: Isabela Filippi
Aprovação: Enrique Lipszyc

Sheeped Away

A luta de um fazendeiro para que suas queridas ovelhas não sejam abduzidas. Até que...
Assiste aê! Animação bem bacana de Junaid Chundrigar.

Paródia Logos

Mais uma versão de logos famosas e suas paródias.Tem mais aqui.

22 de setembro de 2011

TV + USB

“The USB recordable TV.”

Agência: TBWA :: Istanbul :: Turquia
Direção de Criação: Ilkay Gurpinar
Direção de Arte: Burak Kunduracioglu
Redação: Ali Sener
Pós-produção: Omur Kokes, Haluk Demirel

DnB NOR | Finally Married

Muito bom esse comercial norueguês. Não falo mais para não estragar a surpresa.

Agência: Try Reklamebyrå :: Noruega

Heineken | Novo Logotipo

Após longo período a Heineken aprosenta seu novo logotipo.
O projeto, desenvolvido pela agência holandesa VBAT, traz uma identidade visual reprojetada, em que o nome da companhia é apresentado em letras maiúsculas complementadas por uma estrela estilizada vermelha, acima da letra “H”.
A primeira e a última letra da empresa mostram leves curvas. As cores principais permanecem as tradicionais: vermelha, verde e prata.
Segundo Jean-François van Boxmeer, Presidente do Conselho Executivo e CEO: “A HEINEKEN evoluiu significativamente nos últimos dez anos. Hoje, nossa empresa tem a pegada mais global que qualquer fabricante de cerveja, temos uma carteira de mais de 250 marcas de cerveja e cidra e emprega mais de 70.000 pessoas. A nova identidade da empresa diferencia da marca Heineken. E o novo design reflete quem somos hoje, e mostra quem podemos ser amanhã ”.
E acrescenta "a primeira e a última letra do nome da empresa trazem leves curvas que acrescentam personalidade à nova identidade visual. Já as cores principais permanecem como antes (vermelha, verde e prata). Uma tipologia foi especialmente desenvolvida e registrada para criar a base de toda a comunicação, que é compatível com 60 idiomas e marcada pelo modernismo."

Comida Pela Metade

A Casa do Zezinho é uma ONG que trabalha em áreas de baixa renda e que acolhe crianças e jovens sem recursos. Em parceria com supermercados levou às prateleiras o “Projeto Repartir” para vender produtos pela metade, mas com o preço de um inteiro: assim 50% do valor pago de cada venda era destinado à ONG.
Resultado: quase 100 metades foram vendidas por dia, o que trouxe alegria para mais pessoas e ainda ganhou muito mais colaboradores.
A ação levou o Leão de Prata em Cannes este ano.
Confira no vídeo abaixo.

Agência: AlmapBBDO
Diretor de Criação: Luiz Sanches
Direção de Arte: Renato Fernandez, Vinicius Sousa, Daniel Manzi
Redação: Fabio Ozório
Direção: Fábio Benvenuti
Fotografia: Richard Stefano
Rtvc: Vera Jacinto, Gabriel Dagostini, Thiago Bueno
Produtora: Ragna Produções
Produtora de Som: RAW Produtora de Áudio
Trilha: RAW Produtora de Áudio
Locutor: Gabriel Fayad
Montador / Editor: Maria Fernanda
Atendimento: Marina Fernandes, Cristina Chacon
Mídia: Paulo Camossa Jr., Laerte Brandão
Aprovação: Dagmar Garroux, Célia Fernandes

dica da amiga Carol More

Jack Daniel's | Yee-Haw Poster Documentary

Esse vídeo mostra o processo de produção de posteres à moda antiga.
Uma aula de produção gráfica e de extrema beleza visual.

21 de setembro de 2011

Campanha para promover ração para cachorros com preço de ração de animais pequenos.
Imagem bem sacada.
Agência: Prolam Y&R :: Santiago do Chile :: Chile
Direção de Criação: Tony Sarroca, Alvaro Becker, Francisco Cavada
Direção de Arte: Cristian Costa
Redação: Tomas Cisternas

KidSport | Sports Skills

Muito legal essa campanha que incentivas as crianças a praticarem esporte.
"Habilidades esportivas são habilidades para vida."



Agência: DDB Canada :: Vancouver
Direção de Criação: Cosmo Campbell and Dean Lee
Redação: Neil Shapiro
Direção de Arte: Chris Moore
RTVC: Sue Bell
Produtora: Industry Films
Diretor: Adam Goldstein

dica da amiga Rafa Araujo

Frases

Eles curtem, mas não compram

As empresas nunca investiram tanto dinheiro e tempo em ações de marketing nas redes sociais. Será que essas ações realmente aumentam as vendas?

BRUNO FERRARI
A descrição do perfil do Twitter do americano Peter Shankman dá a ideia de como ele é um astro da internet: “Empreendedor de mídias sociais, presidente, palestrante, consultor e aventureiro”. Investidor de novas empresas de tecnologia, ele tem 110 mil seguidores em seu perfil. Nada se comparado a uma celebridade de Hollywood, como o ator Ashton Kutcher, que tem 7,5 milhões. Mas o que Shankman fala – ou melhor, escreve – pode gerar uma grande repercussão na internet. No mês passado, Shankman teve um daqueles dias corridos de negócio. Pegou um avião do aeroporto de Newark, em Nova Jersey, em direção a Tampa, na Flórida. Fez um rápido almoço e retornou num voo noturno. Faminto, resolveu compartilhar com seus seguidores do Twitter o que sentia no momento: “Estou com visões de um bife em minha mente”. E logo depois brincou, citando o perfil da cadeia de restaurantes Mortons: “Ei, @Mortons. Você pode me encontrar no aeroporto de Newark com um porterhouse (nome de um prato) quando eu pousar, em duas horas? Obrigado”.
Duas horas depois, Shankman saía pelo desembarque do aeroporto quando encontrou um garçom, vestido de smoking, segurando uma placa com o nome dele numa mão. Na outra, um porterhouse com batatas fritas e refrigerante. Shankman ficou extasiado. Tirou uma foto com o garçom e postou no Twitter. Escreveu mais meia dúzia de mensagens no Twitter em agradecimento. Muitos de seus milhares de seguidores replicaram a mensagem. Virou notícia.
O caso Mortons e Shankman saiu em alguns dos principais veículos de comunicação do mundo. Para citar alguns: o site da revista Time, no Huffington Post, na rede de TV CBS e no jornal inglês Daily Mail. É um caso clássico do que as empresas chamam de mídia espontânea. Se o Mortons resolvesse anunciar em cada um desses veículos, comprando o mesmo espaço que a notícia ganhou espontaneamente, teria de desembolsar alguns milhões de dólares. Mas com uma simples ação, que envolveu um prato típico de seu menu e um carro que percorreu 37 quilômetros para levar a refeição da unidade mais próxima do restaurante até Newark, o Mortons conseguiu uma repercussão na imprensa mundial – incluindo nesta reportagem que você está lendo.
Eventos como esse levaram diversas empresas a incluir as redes sociais em sua estratégia de marketing. Seja criando uma página no Facebook, um perfil no Twitter, um aplicativo no Orkut ou uma campanha de vídeo interativo no YouTube. Diversas marcas estão investindo muito dinheiro em busca da atenção desse internauta. Estima-se que os internautas mais ativos nas redes também são consumidores mais engajados e com maior poder de mobilização social. Mas será que dá para calcular quanto vale um “curtir” no Facebook ou “retweet” no Twitter em vendas? Quantos desses internautas, que se divertiram com o lanche de Shankman, resolveram comprar um bife no Mortons. E quantos deles já eram clientes fiéis, que comprariam o bife mesmo sem a ação?
Pelo menos por enquanto, essa resposta não existe. Ouvimos especialistas e diferentes empresas nacionais e multinacionais que começaram a investir em redes sociais nos últimos anos. Nenhuma delas soube dizer em números o resultado em vendas de uma ação feita numa rede social. Quantas latas de refrigerante foram vendidas a mais, quantos sanduíches, quantos pacotes de bala, quantos carros, apartamentos, viagens, revistas ou qualquer outro produto que você já “curtiu”, comentou ou simplesmente clicou em sua rede social.
Mesmo sem saber se o investimento compensa, as ações nas redes continuam crescendo. Segundo a consultoria Emarketer, 80% das grandes marcas mundiais vão participar de alguma ação de marketing até o fim deste ano. A participação é três vezes maior que três anos atrás. Outra consultoria, a BIA/Kelsey, diz que, enquanto no ano passado as empresas gastaram US$ 2,1 bilhões em publicidade nas redes sociais, em 2015 esse montante deverá superar os US$ 8 bilhões. “Uma campanha bem estruturada nas redes sociais não custa menos de R$ 300 mil”, afirma Gil Giardelli, professor dos cursos de pós-graduação e MBA na ESPM. Com todas as dúvidas e dificuldades de encontrar métricas que mostrem o retorno sobre o investimento, por que as empresas estão investindo mais do que nunca nesse mercado?
A primeira resposta dos especialistas em marketing é o engajamento das pessoas. Quanto mais cresce o número de fãs de uma marca nas redes sociais, mais eles vão falar dos produtos. Mais informação circulando sobre uma marca gera mais visibilidade, que no fim das contas é o que as empresas buscam quando investem em publicidade. “Até o ano passado tínhamos algumas ações isoladas nas redes sociais. Mas foi neste ano que definimos uma estratégia específica para elas”, afirma Sergio Esteves, gerente de marketing do Guaraná Antarctica. O perfil do Guaraná no Facebook ultrapassou recentemente 1 milhão de fãs na rede social. Alguns posts, criados pela equipe que gerencia o perfil, recebem “curtir” de milhares de usuários. “Posso usar os posts que fizeram mais sucesso para aplicar num filme na TV ou num anúncio de revista”, diz Esteves.
Outra vantagem da ação na rede social é entender os desejos do consumidor. O paulistano Luís Octávio Menezes, de 30 anos, divide o tempo no Facebook entre divulgar as ações de uma ONG ambiental que ele apoia e acompanhar cerca de 20 marcas das quais se considera um fã. “Consigo ter uma interação maior com os produtos das marcas que admiro”, diz. Menezes foi um dos internautas que batalharam pela volta do Halls sabor uva verde. A Kraft, que fabrica a bala, havia retirado do mercado o sabor. Diante da mobilização de milhares de internautas, resolveu relançar o Halls uva verde. E, claro, preparou uma campanha no Facebook, onde tem quase 600 mil fãs, e em outros sites. Na página do Halls no Facebook, a Kraft publica um anúncio convocando os amantes da marca a se inscrever em seu programa de trainee.
Em alguns casos, a ação na rede social desemboca na venda de um produto. Aconteceu com Menezes. No ano passado, ele se interessou por um microprojetor que tinha visto num site. Não encontrou, porém, informações confiáveis sobre especificações, preços e onde comprar, até que achou a página da empresa americana no Facebook. Curtiu a página, encontrou as informações que procurava e acabou comprando o produto. No ano passado, o time carioca do Vasco da Gama fez uma ação com a Penalty que também resultou em vendas. A campanha Vasco na pele convidava os vascaínos a fazer uma tatuagem com a Cruz de Malta, que forma o escudo da equipe. Em troca, os torcedores ganhariam uma camisa oficial, desenvolvida especialmente para a ocasião. “O time estava em má fase, e a campanha desafiava o torcedor a apoiá-lo justo naquele momento”, afirma Gustavo Fortes, sócio da Agência Espalhe, responsável pela campanha. O próprio presidente do clube, Roberto Dinamite, fez a tatuagem. Os criadores da campanha viram ali uma oportunidade para gerar mídia espontânea e fizeram um desafio ao tatuador Eric Codó: quebrar o recorde mundial de tatuagens feitas em 24 horas. E ele conseguiu. Ao final do dia, 806 tatuagens foram feitas em torcedores do Vasco, que levaram seu exemplar da terceira camisa do clube. A repercussão foi boa. A campanha saiu em diversos jornais e, no final da ação, a Penalty havia vendido 100 mil camisas. Casos de resultados palpáveis em vendas, como o do Vasco, ainda são raros. E mesmo no caso do clube não dá para saber quantas dessas 100 mil camisas foram vendidas apenas por causa da ação nas redes sociais.
Os publicitários afirmam que não é correto medir o sucesso de uma campanha em redes sociais por suas vendas. Para Catarina Gurgel, gerente de marketing da marca de água da Danone, a Bonafont, não dá para comparar a internet com o marketing em meios tradicionais, como a TV. Segundo ela, a TV é uma ação unilateral. Gera uma repercussão imensa e momentânea entre os consumidores. Mas não permite manter um relacionamento constante com a marca. Recentemente, assim como o caso da rede de restaurantes Mortons, a marca Bonafont foi atrás dos formadores de opinião do Twitter. Ela emprestou para pessoas influentes na rede social uma geladeirinha que tuitava. Um sistema controlava a quantidade de vezes que a porta abria e fechava. E enviava mensagens automáticas para o perfil da pessoa na rede. Se ela passasse muito tempo sem abrir a geladeira, a máquina tuitava que estava na hora de beber água. “A gente não espera que vá vender mais, mas criar novas maneiras de interagir com nosso consumidor”, diz Catarina.
A última, e talvez mais importante, razão para que as empresas invistam em redes sociais é simplesmente o medo de ficar de fora. Quem arriscaria ignorar um canal de comunicação em que todos os concorrentes estão investindo? “No mundo com um volume cada vez mais frenético de informações, as marcas que não são faladas são esquecidas”, afirma Fortes. Muita gente curtiu isso.

(texto original publicado na Época de 12/9/2011)

Nathan W Pyle | Humor Gráfico

Excelentes ilustrações de Nathan W Pyle.
Traço bonito e cheio de humor.