14 de agosto de 2008

Cesar Villela_artista bossa nova

Estava para escrever sobre isso faz tempo, daí quando o jornal O Globo fez o Segundo Caderno de hoje (14/8/2008) homenageando a Bossa Nova, decidi que seria hoje.
Provavelmente você não ouviu falar de César Villela, mas se gosta de bossa nova, com certeza já viu o trabalho dele. Entre os anos 60 e 70, Cesar Villela criou mais de mil capas de discos para artistas como Elza Soares, Maria Bethania, Baden Powell, Sérgio Mendes, Dorival Caymmi, Sylvia Telles, Edu Lobo, Roberto Menescal, Norma Bengell, Odette Lara, Ari Barroso e Maysa. E como se não bastasse, fez as capas dos discos de estréia de Tom Jobim, Vinicius de Moraes, João Gilberto e Nara Leão. Em outras palavras, ele é o responsável pela linguagem visual da bossa nova, que marcou época e continua moderna até hoje.
César Villela trabalhou nas gravadoras Odeon e Philips, mas a partir de 1962, foi na Elenco, casa dos artistas mais importantes bossa nova, que realizou, junto com o fotógrafo Chico Pereira, suas obras mais marcantes.

Seguindo o conceito de que "menos é mais" projetou um visual de forte impacto com simplicidade e elegância, usando tipografia desenhada à mão e detalhes em vermelho sobre fotos em alto-contraste p&b, coisa até então inédita e difícil de fazer sem os recursos digitais atuais. Dá pra notar inclusive a influência das capas do selo de jazz Blue Note.
Sobre as tais “bolas vermelhas” presentes em muitas das capas, o próprio César é que fala:
“Quando eu fazia capas desenhadas, eu colocava recortes vermelhos por cima. E as capas com fotos têm sempre quatro bolinhas, contando a do logotipo. Na época eu andava lendo umas coisas espirituais e li na Cabalá dos judeus que o número quatro era ligado à harmonia. Achei que harmonia tinha a ver com música, daí resolvi usar aquela idéia nas bolinhas.”

Se você quer saber mais seguem algumas indicações:
- livro: A História visual da Bossa Nova, Cesar G. Villela, 2AB Editora.
- exposição: o SESC Rio, em celebração dos 50 anos da Bossa Nova faz um passeio inventivo por este gênero musical. Serão exibidos em painéis a história, os fundamentos da bossa Nova, os personagens e propõe a interatividade do espectador. Abertura dia 19/8 e vai até 26/10, de terça a sábado, 12h às 20h e domingos, 11h às 17h, na Rua Marquês de Abrantes, 99 – Flamengo.
- sites: clique aqui, aqui e aqui.

Um comentário:

Rafa disse...

Não preciso nem dizer que adorei.
BJs Rafa